“Um Olhar Preciso”: Iniciativa Negra lança livro que debate racismo e política de drogas

Fruto do projeto Reconexão Periferias, publicação foi lançada em setembro

A Iniciativa Negra por uma Nova Política sobre Drogas lançou na quarta-feira, dia 15/09, a publicação Um Olhar Preciso, fruto do projeto Reconexão Periferias, desenvolvido em parceria com a Fundação Perseu Abramo e com a Fundação Friedrich Ebert. O livro é uma compilação de artigos inéditos de colaboradores e da equipe da Iniciativa Negra que visam discutir racismo, política de drogas e questões transversais a partir de vivências em suas áreas de atuação.

A Iniciativa Negra, atuante desde 2015 na construção de uma agenda de justiça racial e econômica, propõe reformas para a atual política de drogas, sugerindo soluções pacíficas e reparadoras para esta questão. Por meio do projeto Reconexão Periferias, a Iniciativa realizou um curso de formação política para sua equipe com intuito de apurar o “olhar preciso” em temas que norteiam sua atuação: racismo; necropolítica; litigância estratégica na defesa da população negra; policiamento e segurança pública; redução de danos na perspectiva de cuidado e atenção aos territórios. Neste contexto formativo e de troca de experiências, nasce o livro Um Olhar Preciso”, composto por oito textos. A artista, produtora cultural e artesã-empreendedora baiana Amanda Rosa, abre a publicação com uma poesia de abordagem impactante sobre as camadas da guerra às drogas.

Os artigos deUm Olhar Preciso abordam as várias nuances que compõem o cotidiano de pessoas negras a partir da territorialização da política de drogas. O texto de abertura, “Iniciativa Negra Por Uma Nova Política Sobre Drogas: Um Olhar Preciso”, é uma apresentação do histórico e da missão da instituição, bem como sua perspectiva sobre a política de drogas. Escrito pelos gestores da organização: Ana Carolina Santos, Dudu Ribeiro e Nathália Oliveira, o artigo aponta o racismo como questão central da violência desta política.

Para a socióloga Nathália Oliveira, a publicação traz uma necessária discussão: “É urgente que, cada vez mais, possamos discutir todas estas questões com mais setores da população, principalmente com aqueles que sofrem diariamente com as implicações da repressão causada pela guerra às drogas”, afirma a cofundadora e coordenadora executiva da Iniciativa Negra.

Além disso, “Um Olhar Preciso” apresenta uma análise crítica da guerra às drogas, considerando a presença do racismo na atuação do poder judiciário na pandemia, nas narrativas construídas pela mídia, no recorte preconceituoso da tecnologia e no comportamento da sociedade. 

Os autores também refletem sobre temas como: política de drogas na cidade de São Paulo e suas consequências, com mais detalhamento para a região da Cracolândia; políticas de segurança pública a partir da literatura produzida por jovens poetas negros de Salvador como reação à violência racial; as implicações da violência e superencarceramento para as famílias negras; e a ilegalidade e ineficiência do modelo nacional de segurança pública.

Para o historiador Dudu Ribeiro, o livro chega para reforçar a importância de difundir e democratizar a discussão sobre drogas no Brasil: “A publicação traz reflexões muito plurais sobre a relação da política de drogas com a segurança pública, que conhecemos como guerra às drogas”, afirma o cofundador e coordenador da Iniciativa, “quanto mais pessoas trouxermos para compartilhar vivências e experiências, mais democráticas, acessíveis e possíveis serão as ações para acabar com o genocídio do povo preto”.

Serviço:

“Um Olhar Preciso” é composto pelos textos:

– “Poesia de Amanda Rosa”, escrita por Amanda Rosa;

– “Iniciativa Negra Por Uma Nova Política Sobre Drogas: Um 

Olhar Preciso”, escrito por Ana Carolina Santos, Dudu Ribeiro e Nathália Oliveira;

– “As togas pingam sangue negro (ou o medo branco do alvará de soltura)”, de Maria Clara D’Ávila;

– “O que a comunicação e a luta antirracista têm a ver com política de drogas?, de Lays Cristina Araújo Silva e Letícia Vieira da Silva;

– “Nuances da política de drogas na cidade de São Paulo: raça, território, controle e promoção de direitos”, por Ana Míria dos Santos Carvalho Carinhanha e Maria Clara D’Ávila;

– “Política de drogas e o desmantelamento das famílias negras”, escrito por Belle Damasceno e Luciene da Silva Santana;

– “Racista, ilegal e ineficaz: o modelo brasileiro de segurança pública e o policial ostensivo”, de Felipe da Silva Freitas;

– “Políticas de segurança pública na Bahia preta: discursos, representação e resistências a partir da literatura produzida por jovens poetas negros na cidade de Salvador”, de Laís da Silva Avelar e Vitor Luis Marques dos Santos. 


Leia a publicação na íntegra, ou faça o download no link abaixo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *